Estrada de Telheiras  159- N
Tels.: 217 939 210 / 963 764 430
v
Estrada de Telheiras  159- N
Tels.: 217 939 210 / 963 764 430
 
 
 
a
Implantes > 
Branqueamento >
Coroas em cerâmica >
Ortodontia> 
Odontopediatria> 
Restaurações estéticas
Novas tecnologias>
Higiene Oral>   
 
 
É SEGURO IR AO MÉDICO DENTISTA?

 

Hoje ir ao dentista pode ser completamente seguro desde que sejam postas em prática as adequadas medidas de prevenção contra a infecção cruzada. Actualmente é possível garantir que um paciente que seja tratado imediatamente a seguir a um outro  (que seja portador de uma doença infecciosa ) não corre qualquer risco de ser infectado. Esta garantia pode ser dada desde que a clínica respeite as normas de segurança a nível de esterilização e adopte os procedimentos recomendados por vários organismos de reconhecido prestígio internacional como a British Dental Association, a American Dental Association e a própria legislação Portuguesa.

 

MANUAL DE SEGURANÇA NO CONSULTÓRIO DENTÁRIO

Pensamos que uma forma importante de pugnar pela saúde da população e pelo aperfeiçoamento das instituições intervenientes na área da saúde consiste em promover o aumento da consciência de cada cidadão ( utente ou profissional ) relativamente às medidas de segurança que devem ser observadas nos consultórios e clinicas dentárias.

Com esse objectivo apresentamos os aspectos mais importantes que cada cidadão pode e deve conhecer uma vez que dizem respeito à defesa da sua saúde mas que cada profissional deve também conhecer e implementar uma vez que está em causa não só a saúde dos seus doentes mas também a sua e da sua equipa de trabalho.

A infecção cruzada é a transmissão de microrganismos patogénicos, de um paciente para outro, ou do paciente para o médico dentista ou vice-versa. No caso dos consultórios dentários tem que se ter em conta ainda a possibilidade de infecção cruzada relacionada com os laboratórios de prótese dentária.

O controle da infecção cruzada é um conjunto de procedimentos que tem por objectivo eliminar a transmissão de microrganismos no consultório de medicina dentária e consegue-se pondo em prática o princípio das Precauções Universais: uma vez que o médico dentista não consegue identificar todos os pacientes portadores de microrganismos patogénicos, TODOS os pacientes são tratados com o mesmo tipo de precauções. Isso assegura que mesmo que um paciente desconheça ser portador de uma infecção, a protecção do médico dentista e da sua assistente , bem como dos outros pacientes, está garantida.

Assim as medidas de prevenção da infecção cruzada visam proteger :

MÉDICOS DENTISTAS E ASSISTENTES DENTÁRIAS

TÉCNICOS DE PRÓTESE DENTÁRIA

PACIENTES

 

 

 

Bibliografia/LINKS:

1-Normas para o controlo da infecção nas instalações que prestam cuidados de saúde oral-2003. JADA, Vol. 4-Nº 6, Novembro 2004 ( Este artigo é uma tradução resumida do que se segue)

2-Guidelines for Infection Control in Dental Health-Care Settings --- 2003

3-Protocolo de Biosegurança

4-Biosegurança

5- Biosegurança e esterilização

6-nurseslearning

7-Esterilização das turbinas

 

 

 

 

 

 

 



a